IMPACTO DA PANDEMIA SOBRE O MERCADO DE TRABALHO NA ITÁLIA

A crise de saúde causada pelo Covid-19 teve graves consequências no mundo do trabalho não só na Itália, mas em todo o mundo. O fechamento de lojas, empresas, escolas durante o bloqueio e as regras de distanciamento social levaram à falência de empresas e à perda de inúmeros empregos.

É muito cedo para avaliar completamente os efeitos da crise, que ficarão mais claros com o tempo. No entanto, é interessante observar as primeiras consequências no mundo do trabalho, visíveis através dos dados relativos aos últimos meses.

De acordo com levantamento do Istat com cerca de 90 mil empresas na Itália entre março e maio de 2020, 45% permaneceram fechadas de 9 de março a 3 de maio (fim da fase 1 da emergência). Destes, apenas 18,8% retomaram a atividade com o início da fase 2, enquanto 25% afirmaram que o retomariam até ao final do ano e 1,2% não retomaram a atividade.

Tudo isso se traduziu em redução da taxa de ocupação geral que, segundo dados do Istat, passou de 59% em fevereiro para 57,6% em maio. Uma queda que tem afetado tanto homens como mulheres, mas que para estas parece fadada a piorar.


AUMENTO DO DESEMPREGO NA ITÁLIA

Na Itália, em apenas 3 meses mais de 500.000 empregos foram perdidos. O balanço das consequências da pandemia sobre o desemprego é dramático: os dados do último relatório apresentado em uma reunião da Universidade Católica afirmam isso. Uma tendência pior do que no resto de muitos outros países afetados pela pandemia, o impacto da Covid-19 no mercado de trabalho foi imediato. Em poucos meses, o progresso alcançado nos últimos dez anos foi anulado: nos 37 países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), a taxa de desemprego passou de 5,3% em janeiro para 8,4% em maio.

As questões laborais relacionadas com a pandemia e a fase de lockdown foram ilustradas pela economista Andrea Garnero, Direção do Emprego e Assuntos Sociais da OCDE, no webinar promovido na quinta-feira 23 de julho sobre as redes sociais da Universidade Católica pelo Departamento de Economia e Finanças e pelo Centro de Pesquisa do Trabalho “Carlo Dell’Aringa” (Crilda), apresentando os principais resultados do Employment Outlook 2020: Enfrentando a crise do emprego.

”A suspensão forçada de grande parte da atividade econômica, associada às medidas de bloqueio adotadas em muitos países, e a ruptura das cadeias de valor globais resultaram em uma crise econômica sem precedentes ”, disse o diretor do Departamento Luca Colombo abertura o debate, moderado pela advogada trabalhista Michele Faoioli e apresentado por Claudio Lucifora, professor de Economia do Trabalho. “Em muitos países, as intervenções para apoiar as receitas foram imediatas e enormes. Estima-se que na Europa as intervenções discricionárias de apoio à economia (subsídios e créditos a favor das famílias e empresas e pagamentos de impostos diferidos) representaram mais de 3,5% do PIB da região, para além de ação dos estabilizadores automáticos equivalente a um montante em torno de 5% do PIB ». No entanto, o Professor Colombo acrescentou, “na área da OCDE, a queda do PIB entre o último trimestre de 2019 e o segundo trimestre de 2020 foi mais ou menos igual a 15%”. E novamente: o número de horas trabalhadas para os países da OCDE para os quais há dados disponíveis – Austrália, Canadá, Coréia, Japão, Estados Unidos, caiu 10 vezes mais nos primeiros três meses da crise COVID-19 em comparação com o que aconteceu nos primeiros três meses da crise financeira global de 2008-2009.

Os dados que emergiram do relatório não são nada reconfortantes: ”Em ​​média nos 37 países da OCDE, a taxa de desemprego de 2008 até hoje, após uma queda relativamente lenta desde o pico de 2010, desde o início de 2020 quando havia atingido 5,3%, saltou para 8,5%, Abril, e depois, a 8,4%, em maio. Então, em poucos meses, o progresso feito em dez anos foi eliminado ”, disse Garnero. Mas a média esconde diferenças consideráveis: por exemplo, na Itália, Portugal e até na Grécia a taxa de desemprego até caiu entre março e abril. Como esse paradoxo é possível? ” Em ​​nosso país, a queda no número de desempregados reflete uma transferência para a inatividade”, explicou o economista da OCDE. “A taxa de desemprego não é necessariamente o melhor indicador para se observar uma crise desse tipo. O que vemos para o caso italiano se olharmos para o número total de funcionários – que é um indicador melhor, mas ainda não o melhor – é que ele caiu 500 mil nos três meses de março, abril e maio. É um número muito importante com uma queda muito mais forte em abril mesmo do que nos meses de pico da crise em 2008 ”.

Isso porque o mercado de trabalho não é uma ‘caixa fechada’, mas também uma ‘porta de entrada’, com trabalhadores que não são contratados ou têm contratos temporários que não são renovados. Como se não bastasse, a muito forte perda de empregos foi acompanhada por uma queda no número de contratações: a variação nos anúncios diários veiculados online pelas empresas entre fevereiro e junho de 2020 foi muito forte, colapsando na Itália em 30% e em outros países até em 50-60%.

Outro fato significativo é que, entre os trabalhadores que permaneceram empregados, grande parte não estava trabalhando. Se em abril de 2019 cerca de 5% das pessoas não trabalhavam por motivo de férias ou doença, em abril de 2020 um terço dos trabalhadores definidos como ocupados estava demitido, registrando um aumento de 33% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Além disso, olhando para o número de horas trabalhadas nos primeiros três meses da crise Covid-19, o impacto inicial foi 10 vezes o da crise de 2008: horas de trabalho na Austrália, Canadá, Japão, Coréia, Suécia e Os Estados Unidos caíram 12,2% em comparação com 1,2% nos primeiros três meses da crise de 2008-2009. Uma porcentagem que explodiu na Itália, um dos países mais afetados na área da OCDE. “Se considerarmos o número de funcionários e as horas de trabalho desses funcionários, a queda total foi cerca de 28% mais forte do que no Canadá, Estados Unidos e outros países para os quais temos dados”, especificou o economista.

Segundo Garnero, há duas mensagens a serem apreendidas a partir desses dados: a primeira, para manter a pandemia sob controle, caso contrário cairemos em novas medidas restritivas que pesam sobre a economia; a segunda, que haverá recuperação, mas os custos a serem enfrentados durarão não só nos próximos trimestres, mas também nos próximos anos. A outra consideração a ser feita é que, ao contrário do que foi dito, a pandemia não é um “grande nível”, pelo contrário, corre o risco de “agravar ainda mais as desigualdades”, uma vez que os mais afetados pela Covid-19 são os trabalhadores. pessoas vulneráveis ​​com baixos salários e que não podem teletrabalhar, trabalhadores autônomos e a tempo parcial, mulheres e jovens: basta dizer que o desemprego juvenil passou de 11,2% em fevereiro para 17,6% em maio.

“Quanto à Itália, agora é necessário passar para uma fase de reconstrução, de “Construir melhor”, que se baseia em vários pilares, incluindo políticas ativas e passivas, uma adaptação do fundo de demissões, maior contato com os jovens, a criação de novos empregos. Por isso, concluiu Lucifora, as políticas que conseguirem orientar uma realocação de recursos serão muito importantes ”.


O IMPACTO NA INDÚSTRIA ITALIANA

Além disso, vemos o forte impacto no setor industrial da Itália: o país é uma das grandes potências industriais globais, ocupando o 9º lugar no ranking mundial de exportadores de mercadorias (6º na exportação de produtos manufaturados), o que representa 80% do total das exportações italianas. Desde a eclosão da crise econômica de 2008, as exportações impulsionaram a economia italiana e em 2018 aumentaram 26% em relação aos níveis anteriores à crise (a preços atuais). A emergência da Covid-19, no entanto, afetou fortemente as exportações italianas, que deverão diminuir 5,1% em 2020.

Gráfico mostra como os setores do ramo industrial foram afetados.

Como mostra o histograma, os setores que mais sofreram com a queda da demanda são os de veículos automotores, vestuário em geral e móveis. Em termos de contributo para a variação geral, no entanto, pesou fortemente a contração das exportações no setor da produção de máquinas industriais.

Neste ano, na Itália, a queda do PIB deve ser de 10,1%, com recuperação de 5,9% em 2021, porém insuficiente para retomar os níveis de produção perdidos. A Itália não parece estar em posição de retornar aos níveis pré-pandêmicos por alguns anos, talvez apenas em 2025.

No Norte, a retração econômica neste ano deve ser de 10,5%, com recuperação de 6,5% no ano que vem. Nas regiões Sul, o PIB deve cair 9,4%, seguido de uma recuperação parcial (4,8%) em 2021. O impacto é particularmente evidente se considerarmos que em 2009, após a eclosão da crise financeira no geral, a perda do produto interno nacional foi igual a -5,3% na Itália, -5,5% no Centro-Norte e -4,6% no Sul.

O impacto da crise será mais sustentado em territórios que dependem do turismo, viagens, hospitalidade e entretenimento, setores particularmente afetados por esta pandemia. O setor terciário sofrerá forte queda nas regiões norte, quase 9%.

Em termos de exportação, as regiões menores (Vale de Aosta e Basilicata) serão mais penalizadas, mas também aquelas que, devido a um maior grau de abertura internacional, sofrem as consequências do colapso da demanda externa: Piemonte, Veneto, Lombardia e Emilia Romagna, que verão suas exportações diminuírem a uma taxa mais grave do que em outros lugares.

Apesar das medidas de apoio às famílias e às empresas, 2020 verá um declínio generalizado tanto no rendimento disponível como nas vagas de trabalho. A queda do emprego será relativamente maior no Noroeste e menor no Centro, enquanto na fase de recuperação o indicador apresentará tendência melhor no Nordeste, pior no Sul.


SITUAÇÃO DE OUTROS PAÍSES EUROPEUS

Em relação ao cenário europeu, as estimativas do BCE para os países da zona do euro falam de quase 11 milhões de trabalhadores na Alemanha que poderiam ser afetados por redução da jornada de trabalho ou dispensas temporárias, 12 milhões na França, 3,9 milhões na Espanha, 1,7 milhão Holanda, todos com salto relativo na taxa de desemprego de cada país: 12,5% na Alemanha, 30% na França, 23% na Espanha e 17,5% na Holanda.


POBREZA NA ITÁLIA: NÚMERO AUMENTA CONSIDERAVELMENTE NA PANDEMIA

Em 2019, havia 4,6 milhões de pessoas em estado de pobreza absoluta na Itália, 40,5% nas regiões do norte, 45,1% no sul. Destes, 1,14 milhão eram menores. Enquanto 2 milhões e 700 mil eram pessoas carentes que recorreram à ajuda alimentar do governo. Com o surto da epidemia do Coronavírus e, portanto, com o fechamento total do país e o bloqueio das atividades, a situação piorou drasticamente. O foco do Censis Confcooperativo contou que pelo menos metade dos italianos (50,8%) sofreu um colapso repentino em sua receita financeira com picos de 60% entre os jovens, 69,4% entre os trabalhadores temporários, 78,7% de empreendedores e autônomos e 58,3% de empregados efetivos. E para o futuro as projeções são totalmente pessimistas, com os maiores temores quanto à perda de renda e emprego para pelo menos um em cada dois italianos com picos de 72,1% para funcionários dependentes e autônomos. São 828 mil pessoas em risco de desemprego e os seus rendimentos já são baixos, com uma média mensal de 900 euros: são trabalhadores temporários e empregados de empresas em situação de crise por estarem ligados a um setor fortemente atingido pelo bloqueio causado pela pandemia.