GANHE ATÉ 2 MIL EUROS PARA VIVER EM ALGUMAS CIDADES ITALIANAS

É verdade que existem cidades na Itália que te pagam para você morar nelas? Sim, é verdade! Em 2017 uma notícia percorreu o mundo de deixou milhares de pessoas curiosas: uma região na Itália estaria pagando até 2 mil para quem quisesse ir morar em algumas das cidades que fazem parte da região. Pois bem, isso acontece até os dias de hoje, e no post explicarei com detalhes do que se trata e como funciona.


CIDADES QUE PAGAM PARA VOCÊ MORAR NELAS: MITO OU VERDADE?

Verdade. A iniciativa é real, assim como aquela das Casas à venda por 1 euro, e da mesma forma, existem regras sobre o projeto para que você possa se candidatar e usufruir desse benefício, que se chama “Reddito di residenza attiva” que seria Renda de residência ativa.

A partir do nome do projeto, já se entende que uma das condições essenciais tem a ver com a residência. De fato, os beneficiários precisam mudar sua residência para uma área geográfica específica. Quando falamos de residência na Itália, nos referimos a um procedimento que todo cidadão precisa fazer, ou seja, não basta apenas morar em um local, você tem que “registrar” que você vive ali, isso se chama fazer sua “residência”.

Para participar, é necessário um editorial específico publicado nacionalmente pela cidade aderente ao projeto.  Uma das regiões mais famosas que desenvolve esse projeto é a região de Molise. Ali, um dos requisitos básicos para participar são: ter a maioridade e a transferência da residência para um dos municípios de Molise com menos de 2.000 habitantes.

Portanto, se você estiver disposto a morar em um dos vários municípios de Molise, incluindo, por exemplo, Pizzone, Bagnoli del Trigno, Pietrabbondante, Scapoli, San Pietro Avellana e assim por diante, isso abrirá novas oportunidades de vida e trabalho. A condição adicional de participação tem a ver com o trabalho: os novos residentes terão de abrir um negócio e mantê-lo por um período mínimo de dois anos.

Em relação a abertura de um negócio, funciona basicamente assim: você deve abrir uma empresa no município em que você residirá. De acordo com os editoriais publicados pelas cidades participantes, para se posicionar em um bom nível no ranking (afinal, eles usam uma pontuação para definir os participantes do projeto), a Comissão Examinadora avaliará: a coerência entre o empreendimento e o município em que pretende abri-lo, visando a integração com o território, e também a capacidade de implementar e manter essa iniciativa ao longo do tempo.

Em setembro do ano passado, a região de Molise publicou um edital que disponibilizaria uma contribuição mensal de 700 euros para aqueles que decidirem residir em um dos seus municípios com menos de 2.000 habitantes, 106 do total de 131.

O projeto Renda de residência ativa nasceu da necessidade de combater o fenômeno do deslocamento que afeta cada vez mais as províncias do sul da Itália, com o intuito de repovoar o território, revitalizar a economia e criar empregos. Outro projeto com o mesmo intuito é o projeto Casa a 1 euro, leia o post sobre o assunto e saiba mais.

O pedido de participação nesse projeto pode ser enviado não apenas por cidadãos italianos, mas também por cidadãos da UE ou, em geral, por quem possui uma autorização de residência de longa duração no país.

Conforme previsto, a contribuição mensal de 700 euros será destinada a quem abrir um negócio em um dos municípios de baixa densidade e a atividade empreendedora pode ser de qualquer natureza; o importante é transferir ou abrir a sede social e o número de IVA no município escolhido. O projeto da região de Molise, além de criar uma nova economia que repovoa as áreas mais abandonadas, também quer impulsionar aqueles que nunca iniciaram uma atividade empreendedora, mas que sempre quiseram fazê-la.

Anúncios

REQUISITOS PARA PARTICIPAR DO PROJETO

O primeiro requisito essencial para poder solicitar a participação e o acesso à contribuição é a maioridade e a transferência da residência em um dos 106 municípios com menos de 2.000 habitantes da Região e proveniente de um município cuja população exceda 2.000 habitantes, como já dito anteriormente.

Para participar, uma vez que é necessário abrir um negócio, você também deve apresentar um projeto de viabilidade comercial acompanhado pelo respectivo plano econômico e financeiro.

Os pedidos serão cuidadosamente avaliados por uma comissão específica que, com base em critérios como viabilidade, inovação, uso de novas tecnologias e coerência entre as várias partes do projeto, avaliará os candidatos considerados admissíveis. Mais pontos serão atribuídos a projetos que recuperarão uma propriedade pertencente ao patrimônio histórico e cultural da área.

Aqueles que no final são elegíveis e poderão se beneficiar da contribuição serão obrigados a cumprir duas obrigações: a referente à notificação e a referente à residência no município escolhido; a renda da residência será paga por três anos (valor que varia de 700 a 2000 mil euros, depende do tamanho da família), mas a residência e a sede operacional da empresa deverão ser mantidas por pelo menos cinco anos a partir do desembolso do benefício.


QUAIS SÃO AS CIDADES QUE PAGAM PARA VOCÊ VIVER NELAS?

Além dos 106 municípios de Molise, outras regiões estão pensando em aderir ao projeto ainda este ano de 2020. Entre algumas das cidades que abriram esse edital ano passado, podemos citar: Bonefro, Colletorto, Guardiafiera, Monacilioni e Toro. Para ver um edital oficial publicado ano passado, basta clicar nesse link.

Algumas outras cidades de outras regiões que podemos citar são Candela e Bormida. O município de Candela, na província de Foggia, está sofrendo com o despovoamento e, e para impedir o abandono total, o incentivo pode chegar a € 2.000. Destinatários? Pessoas que pretendem mudar para a vila, mas cada vez mais despovoada, localizada no coração da Apúlia.

Já em 2016, um anúncio semelhante foi publicado, convencendo 38 pessoas a se mudarem para o centro do Subappennino Dauno. Apesar disso, o saldo permaneceu negativo: 17 recém-nascidos, 40 mortos, mas boas esperanças estão concentradas nos 12 novos casamentos celebrados na vila. Se eles dessem os resultados esperados, poderiam finalmente trazer o saldo demográfico do local para um valor positivo.

Antes de tudo, é necessário demonstrar que você manteve sua residência de 1 de janeiro até o final do ano na cidade, ter uma renda superior a 7.500 euros e a prova de procedência de um país que não possui uma população inferior a 2.000 habitantes, a fim de salvaguardar os outros pequenos centros urbanos italianos que também são vítimas de despovoamento.

Aqueles que atendem a esses requisitos podem solicitar o bônus a partir de 800 euros para famílias unifamiliares e até 2.000 euros para famílias de 4 ou mais pessoas. Se o valor em dinheiro não for o suficiente para convencer as pessoas a se mudarem para a vila na província de Foggia, também existe a possibilidade de redução na conta de luz, descontos para matricular crianças no jardim de infância e descontos em impostos sobre taxa de lixo e cantina escolar.

Em relação a cidade de Bormida, o prefeito da vila pensa em um bônus de 2000 euros a quem decidir se mudar para esta encantadora vila da Ligúria na província de Savona. Parece a realização de um sonho: um lugar encantador, a poucos quilômetros do mar, caracterizado pelo aroma do ar saudável e pelas melodias da natureza, com árvores e vegetação até onde os olhos podem ver.

Hoje, a vila tem apenas 394 moradores que vivem em um ambiente tranquilo, cercado por faias e castanheiros à sombra do Monte Settepiani, Mas a vila, infelizmente, está em processo de despovoamento e os moradores são obrigados a sair para procurar trabalho nas cidades vizinhas, onde as oportunidades profissionais são maiores. Bormida, portanto, não cresce, pelo contrário, corre o risco de se tornar uma cidade fantasma.


NOVOS PROJETOS PARA 2020: CIDADES QUE PAGARÃO PARA VOCÊ MORAR NELAS!

Um projeto de lei para planejar intervenções regionais para incentivar o desenvolvimento de áreas internas foi apresentado por Liguria Popolare: “O objetivo do projeto de lei – explica a conselheira regional Gabriele Pisani – é promover intervenções destinadas a dar nova força vital aos pequenos municípios do interior da Ligúria, revitalizar sua economia e, assim, aprimorar seu desenvolvimento econômico, social e ambiental”. Tal manchete foi divulgada em vários sites nessa semana do 15/07/20.

“Estamos cientes de que o caminho para a recuperação das áreas internas ainda é longo e que é necessária uma reestruturação conservadora do nosso interior – sublinham os diretores da Ligúria Popolare Pisani, Costa e Mazza – investimentos e incentivos significativos são necessários para promover novas tecnologias no campo da digitalização e economia de energia, deve ser dada mais atenção aos cuidados, segurança do território e manutenção e aprimoramento de infra-estruturas e estradas ”.

A proposta Popular da Ligúria visa principalmente repovoar o interior e incentivar a abertura de novas atividades comerciais. “Queremos incentivar o retorno ou a nova estadia em pequenos municípios por meio de medidas de incentivo à residência com o estabelecimento de uma renda ativa para todos os jovens que desejam se mudar para lá e iniciar um novo negócio. Isso daria origem a um círculo virtuoso: recuperação de edifícios existentes, segurança do território, redução do risco hidro geológico, revitalização de centros históricos e aldeias antigas, melhoria da qualidade de vida dos habitantes “.

“Nesse sentido, os pequenos municípios são chamados a colaborar com a Região – Pisani, Costa e Mazza – eles podem de fato identificar áreas nas quais realizar intervenções públicas e privadas integradas, voltadas para a reconstrução urbana e, acima de tudo, para tornar o território seguro e a prevenção de risco hidro geológico”.

O conselheiro regional Thomas De Luca (líder do grupo M5S) propõe que a Úmbria, seguindo a iniciativa Molise, implemente iniciativas destinadas a apoiar aqueles que pretendem se estabelecer nas áreas despovoadas da região. De Luca pretende apresentar um projeto de lei “a ser compartilhado e que, portanto, espero encontrar um apoio mais amplo das forças políticas minoritárias e majoritárias”.

“Setecentos euros por mês para quem decide se mudar para as áreas despovoadas da região e abrir uma atividade de natureza econômica ou ligada a serviços para a comunidade. É o que está acontecendo em Molise, onde a lei de renda ativa se tornou realidade, levando mais de 600 pessoas e famílias dos cinco continentes a participar de uma licitação especial e a apresentar projetos projetados para poder se mudar “. O conselheiro regional Thomas De Luca (líder do grupo M5S) propõe que a Umbria, seguindo a iniciativa Molise, “possa identificar um instrumento semelhante, obviamente levando em conta o contexto local e os diferentes problemas e necessidades do nosso território”.